segunda-feira, 31 de julho de 2017

A máquina militar estadunidense e o fetichismo da Esquerda pós-moderna

Por: Jean A. G. S. Carvalho



A Esquerda pós-moderna tem um estranho fetiche com a "representatividade". O mais importante é assegurar que minorias (preferencialmente as mais insignificantes, numericamente) tenham "representação" em absolutamente qualquer coisa. Análises mais profundas e juízos de valor não fazem parte dessa pauta. É a representatividade pela representatividade.

Dentre inúmeras políticas que se pode criticar em relação aos Estados Unidos e sua agenda global, e dentre vários dos pontos da administração de Trump que podem ser criticados com toda a razão, a Esquerda pós-moderna escolhe sempre o artificial, o mecânico e insignificante. A grande birra dessa Esquerda contra o bastião do imperialismo é o fato de que Trump quer banir novamente soldados transexuais das forças militares dos EUA.

Ou seja, a Esquerda, mais preocupada em criar uma lista infinita de "gêneros" e orientações sexuais do que qualquer coisa, está profundamente triste porque soldados transexuais não vão mais poder despejar toneladas de bombas em civis em algum lugar do Oriente Médio (ou em qualquer país de Terceiro Mundo). 

A grande decepção dessa Esquerda é o fato de que a mais poderosa máquina de matar de toda a história agora pode não contar mais com soldados usando tamancos, silicone e barba ao mesmo tempo. 

Até a máquina de destruir países precisa de gays, bissexuais, transexuais e o que mais estiver na lista das minorias. A Esquerda substituiu o foco na Revolução pela participação efetiva no sistema capitalista por meio da "Representatividade". 

O ideal não é mais criticar sistematicamente uma estrutura, mas acomodar pares e representantes exóticos em seus nichos e substratos. 

Pouco importa os afetados por esse aparato militar gigantesco e global: o que realmente interessa é que todos os infinitos "gêneros" tenham a oportunidade de portar um fuzil ou apertar um botão para detonar um bairro inteiro no Iraque ou na Síria. 


Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Visitas

Participe do nosso Fórum Online

Siga-nos no Facebook