segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Wikileaks confirma: Hillary Clinton vendeu armas ao ISIS

Tradução: André Soares



Embora Hillary Clinton tenha repetidamente negado que ela vendeu armas para o DAESH (Estado Islâmico) enquanto servia como secretária de Estado, o fundador do Wikileaks Julian Assange afirma que tem provas do contrário.

Thepoliticalinsider.com relatou: no segundo mandato de Obama, a secretária de Estado Hillary Clinton autorizou o carregamento de armas fabricadas nos Estados Unidos e Qatar, um país em dívida com a Irmandade Muçulmana (e amigável para com os rebeldes da Líbia), em um esforço para derrubar o governo líbio de Gaddafi e, em seguida, enviar essas armas para a Síria, a fim de financiar a Al Qaeda, e derrubar Assad na Síria.

Clinton assumiu o papel principal na organização dos chamados "Amigos da Síria" (Também conhecidos como Al Qaeda / ISIS) para apoiar a insurgência liderada pelo CIA para mudança de regime na Síria.Sob juramento, Hillary Clinton negou que ela sabia sobre os carregamentos de armas durante testemunho público no início de 2013 após o ataque terrorista em Benghazi.

Em uma entrevista com o Democracy Now, o idealizador do Wikileaks, Julian Assange, está agora afirmando que 1.700 e-mails contidos no cache de Clinton conectam diretamente Hillary com a Líbia, a Síria, e diretamente com a Al Qaeda e o ISIS.



Artigo original
Share:

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Guillaume Faye: Unidos em torno de ideais claros contra um inimigo em comum

Por: Guillaume Faye
Tradução: Jean Augusto G. S. Carvalho



As piores guerras são aquelas não declaradas. Elas rompem silenciosamente, como uma brisa inquieta, e são as mais mais ásperas e mortais. Hoje, a Europa enfrenta o maior perigo de sua história, um perigo que ameaça a própria existência de sua civilização. A Europa está em guerra e sequer sabe disso. Ela pode sentir o perigo, mas se recusa a enxergá-lo, enterrando sua própria cabeça na areia, como um avestruz, na esperança de afastar o perigo.

Nós, europeus, estamos rápida e massivamente sendo invadidos e colonizados por povos do Sul e pelo Islã. Nós somos submetidos à nova ordem mundial estadunidense e suas estruturas econômicas, estratégicas e culturais. As duas, Europa e América, marcham de mãos dadas. Nós fomos efeminados por ideologias de declínio e por aqueles que são facilmente sujeitos ao otimismo, nós somos ameaçados pela regressão da cultura e da educação para o primitivismo e pelo enfraquecimento do simulacro de prosperidade.

A Europa é o homem doente do mundo. Isso é algo que se torna óbvio em seu declínio demográfico, em sua desvirilização psicológica e em sua ideologia reinante de etno masoquismo imposto por censores politicamente corretos e pela mídia controlada. Somos atormentados por dentro e atacados por fora. Nós somos atacados por assaltantes, invasores e colaboradores, que compõe a maior parte das classes políticas, midiáticas e intelectuais, seja na Direita ou na Esquerda.

O povo ainda terá de ver isso, já que seus carros de compra ainda estão cheios.  E, mesmo que todos possam suspeitar em segredo que a guerra começou, a maioria nega isso, já que, no momento, ninguém tem coragem para lutá-la. No momento...

A crise profunda e a marcha para o caos envolvente são requisitos para um despertar e uma revolta. E nós ainda não vimos nada. A tragédia ainda está no início de seu primeiro ato. Assim como todas as guerras, os defensores da liberdade de expressão estão comprometidos. De nada adiantam as reclamações: essas são as regras do jogo. Através da Europa, nós dispomos de imensos recursos. Nada foi perdido ainda, e o pessimismo não é uma opção.

Na história, são sempre as minorias que se esforçam aquelas que fazem a diferença, não as massas amorfas. E isso não é mais uma questão de Esquerda ou Direita, mas sim de você fazer ou não parte da resistência. 

Dado que a tragédia que cai sobre os europeus e as disputas fúteis que dividem os identitários, há uma necessidade evidente para uma visão mundial poderosa o suficiente para reunir o continente - para unir nossa pátria, a família de espíritos aparentados mas fragmentados, que é unida nas essências, favorecendo a defesa de nossa civilização e de nossa identidade que está em perigo, mas favorecendo especialmente os princípios de nossa regeneração. 

Em toda parte, se espera por uma mobilização baseada em um discurso claro e federativo de resistência e reconquista - livre de ideias ultrapassadas, sectarismo e paralisia da nostalgia. Nunca antes essa urgência para tal discurso foi tão grande. O que mais importa nesse aspecto é uma plataforma ideológica unificadora que ultrapasse o sectarismo com sinceridade e lucidez em suas reflexões. Quando há um incêndio numa casa, disputas domésticas são deixadas de lado.

Uma nova base ideológica é necessária - uma nova base tanto da síntese de afirmação de uma doutrina geral e, ao mesmo tempo, uma definição rigorosa dos conceitos, dos argumentos e da propaganda. Confusão doutrinal, debates falsos, oposições artificiais, aproximações intelectuais e má compreensão, escaramuças sectaristas, o embotamento de ideias pelo desejo de decência - essas coisas já se foram há muito tempo. 

O que é necessário é uma linha clara. Um mínimo de formulação forte que o maior número de sensibilidades e desejos podem aderir. Nós entramos num período onde as coisas não precisam mais ser ditas pelas metades, enquanto nos divertimos com discursos de "duas caras". O que nós precisamos agora é um pensamento radical - não na forma de aspectos de gestos extremistas, mas um que vá às raízes das coisas. A verdade sempre vence e é a estratégia mais efetiva. 

É chegado o tempo no qual o identitarismo, no sentido mais amplo, deve se reafirmar como a mais lúcida e ambiciosa forma de pensamento. A visão de mundo identitária é simplesmente mais realista e mais bem adaptada ao futuro do que o igualitarismo dominante e a ideologia cosmopolita, que afeta todo mundo, desde os mais flexíveis direitistas até os mais loucos neo-trotskistas. 


Todos os fatos, sejam históricos, geopolíticos, demográficos, étnicos, econômicos ou sociais fundamentam a visão de mundo identitária e anti-igualitarista. Essa visão - a única forma de pensamento rebelde e dissidente - é determinada a prevalecer em todos os lugares da Europa, já que o século XXI sucumbe diante das crises que se aproximam, e a mesa será limpa - conforme revisões ideológicas, desígnios inesperados e radicalizações surpreendentes aparecerem com a força das circunstâncias.


Disputas estéreis e divisões sectárias dividem e neutralizam aqueles que deveriam ser solidários uns aos outros. Isso contrasta com o inimigo que, mudando constantemente, sabe como cerrar fileiras. Nossas disputas e divisões são superficiais - e nos causam divisões com pessoas que aspiram os mesmos objetivos, mas que ainda está preso nos ideais obscuros, conflitos emocionais, debates mal posicionados ("França ou Europa", "soberania ou federalismo", "catolicismo ou paganismo", etc.).

Sem ideias bem definidas, conceitos claros e unificantes, reflexões serenas e um senso de urgência, fica difícil ser compreendido e, como consequência, será difícil estabelecer uma linha ideológica efetiva. De acordo com um antigo provérbio, cuja origem não vou revelar, nós precisamos definir as bases através da Europa, para uma "ordem positiva, intencional, e um pensamento criativo".    
    

Texto original
Share:

terça-feira, 16 de agosto de 2016

A política pró-transexuais em banheiros femininos é perigosa para mulheres e crianças

Por Warner Todd Huston


Tradução: Jean Augusto G. S. Carvalho 
obs: os textos dos links não estão traduzidos.


[Nota do tradutor: É interessante perceber como a Esquerda liberal e os movimentos feministas, ditos protetores das mulheres, colocam-nas como figuras secundárias em relação a transexuais. A questão não se limita à transexuais, mas a qualquer um que simplesmente se considere como "transexual" ou "transgênero" e o livre acesso de qualquer pessoa a banheiros femininos, o que expõe mulheres e crianças e praticamente blinda qualquer crítica sob a acusação de "transfobia"]



Conforme cresce o boicote contra estabelecimentos que adotam a política pró-transgêneros, a questão do quanto essa política coloca mulheres e crianças em risco é algo natural de se perguntar. Conforme essas políticas se proliferam pelo país, o número de casos de abusadores que ameaçam mulheres e crianças está aumentando diariamente.

Uma franquia de lojas de departamento chamada Target provocou a ira de milhões de estadunidenses depois de anunciar a abertura dos banheiros para todos os transgêneros, clientes e empregados, permitindo-lhes escolher qualquer banheiro que desejassem a qualquer momento.

Dias depois, uma petição com a hashtag #BoycottTarget registrou mais de 200.000 assinaturas em um só dia, atingindo mais de 300.000 em um fim de semana. A confusão atual não deve ser surpresa, já que, durante anos, a rede Target tem sido uma grande fornecedora e apoiadora de políticas e causas LGBT. Logo, essa política relativa aos banheiros não é a primeira promovida pela rede em relação às pautas de Esquerda. 

Em seu website, por exemplo, há muitos posts e anúncios celebrando o estilo de vida LGBT. Além do mais, no ano passado, a rede Target foi uma das corporações patrocinadores da conferência "Out & Equal" [algo como "Explícitos e Iguais"], o evento de um grupo que procura forçar corporações a adotar políticas amigáveis ao público gay. 

A companhia também é bem-recebida por grupos gays por sua campanha "It Gets Better" ["Isso fica melhor"], criada para ampliar o status da homossexualidade nos Estados Unidos. Além disso, a Target provocou a ira de muita gente com sua decisão de recriar suas seções infantis, quando, em agosto de 2015, a rede anunciou que estava eliminando rótulos com "especificidades de gênero" e anúncios presentes em seções de roupas e brinquedos infantis.

A agenda homossexual radical não é o único problema liberal no qual a rede Target se engajou. Dois anos atrás, a companhia exigiu que seus clientes não levassem armas de fogo para suas lojas, contrariando as legislações locais que permitiam o porte de armas para proprietários com registros. A empresa também possui uma extensa lista de causas políticas e candidatos para os quais doou dinheiro durante muitos anos. 

Ainda em defesa dessas políticas, militantes de Esquerda fazem esse questionamento: o que pode haver de errado em permitir que alguém escolha o banheiro que quiser, ou que se permita o acesso de homens vestidos como mulheres em banheiros femininos, ou outros que que se alegam como transgêneros?

Do outro lado, aqueles que rejeitam essas políticas questionam por qual motivo a nação deve colocar mulheres e crianças em perigo ao permitir que abusadores entrem mais facilmente nesses locais e instalem câmeras em banheiros ou vestiários, ou, de outro modo, também ameacem pessoas que usam esses lugares.

A própria Targed já registrou incidentes com abusadores que atacaram crianças em banheiros da rede. Há apenas algumas semanas atrás, um incidente desse tipo aconteceu em Cedar Park, numa loja no Texas.

Mas há dúzias de casos semelhantes ocorridos nos últimos 16 meses, casos que colocam em destaque esse problema com relação às políticas que alteram o acesso a banheiros públicos e os tornam lugares mais fáceis para abusadores.

Primeiro, temos cinco casos nos quais abusadores foram descobertos ao cometer ações criminosas em banheiros públicos. Alguns desses homens foram presos enquanto estavam vestidos como mulheres; outros alegavam ser "mulheres" transexuais.

1. Homem encontrado em vestiário feminino faz menção aos papéis de gênero
Os parques recreativos de Seattle estão enfrentando problemas com as regras sobre presença de transgêneros em banheiros. Um homem vestido em roupas femininas, encontrado em um trocador feminino, citou uma nova lei estadual que permite que pessoas como ele escolham banheiros baseando-se em identidade de gênero.  
2. Homem vestido como mulher foi preso ao espiar um banheiro feminino em um shopping, diz a polícia
Um homem vestido como mulher foi preso na Virgínia numa segunda-feira, depois que a polícia o flagrou urinando num banheiro feminino pela terceira vez no ano passado. Richard Rodriguez, de 30 anos, filmou uma mulher no banheiro feminino do Potomac Mills Mall, segundo relatos da polícia do Condado de Prince William dados na terça-feira. Uma mulher de 35 anos estava no banheiro quando viu uma bolsa sendo direcionada para ela por baixo da divisória entre os sanitários. Rodriguez, aparentemente, estava filmando a mulher, disse a polícia.  
3. Um homem em Palmdale foi preso por filmar uma mulher dentro de um banheiro  
Um homem de 33 anos em Palmdale que estava vestido com roupas femininas filmava mulheres dentro de um banheiro numa loja de departamentos. Ele foi indiciado por várias acusações nessa terça-feira, segundo as autoridades. Jason Pomare foi preso sob seis acusações de filmagem sexual ilícita, de acordo com o sargento Brian Hudson, do Departamento de Serviço do Xerife para Vítimas Especias  em Los Angeles. 
4. Abusador sexual preso após alegar ser um "transgênero" ao ter atacado uma mulher Um homem que alegava ser um "transgênero" para ganhar livre acesso e abusar de mulheres em banheiros de Toronto foi preso por tempo "indeterminado" na última semana, depois de ter sido considerado como um "ofensor perigoso" pelo juiz. Líderes de movimentos pró-família alegam que haviam alertado tempos atrás exatamente sobre esse tipo de incidente, sem que o governo de Ontario se importasse com suas alegações, quando aprovou o projeto de lei sobre "identidade de gênero", chamada de "lei do banheiro", aprovada em 2012. 
5. Universidade de Toronto, no Canadá, cancela a política de banheiros para transgêneros após incidentesA administração da Universidade de Toronto, depois de problemas relacionados ao uso de banheiros femininos por transexuais, teve de admitir que há a necessidade de estabelecer banheiros distintos para homens e mulheres que compartilham os dormitórios. Apesar disso, a administração disse que manterá 50% dos banheiros como "neutros em gênero". 
Aqui há outros 19 registros de abusadores que utilizam banheiros públicos para atacar mulheres e crianças:] 
6. Homem é acusado de filmar mulheres no banheiro público do estacionamento do Parque SmyrnaAutoridades de Smyrna, no Tennessee, acreditam que um homem filmou mulheres dentro de banheiros em Wisconsin. William Davis foi acusado em Smyrna de crimes especialmente graves de exploração sexual contra uma menor. 
7. Um homem em Fullerton foi preso sob suspeita de filmar pessoas no banheiro da Universidade de ChapmanUm homem de 24 anos foi preso numa terça-feira depois de portar um celular escondido onde gravava vídeos dentro de um banheiro da Universidade de Chapman, alega a polícia. Uma empregada disse aos oficiais de segurança pública do campus, à 01:00 da manhã de terça-feira, que havia visto um telefone celular enquanto estava dentro de um banheiro unissex individual nas Livrarias Leatherby, disse o tenente Fred Lopez do Departamento de Polícia de Orange. O banheiro é localizado no primeiro andar da Rotunda Commons. 
8. Um professor de Campbell foi preso por fazer gravações secretas de pessoas dentro de um banheiroSan Jose - um professor de uma escola de ensino fundamental particular foi acusado, nessa quarta-feira, de gravar secretamente pessoas que usavam o banheiro de sua casa, incorrendo em três contravenções, de acordo com o Escritório Distrital da Procuradoria do Contado de Santa Clara. Autoridades dizem que a prisão do homem de 31 anos de nome Andrew Donahue, efetuada nessa quinta-feira, não tem relação com seu papel como professor na Challenger School em San Jose. Donahue foi acusado de três crimes ao fotografar e filmar pessoas que usavam o banheiro ou que estavam em estado de privacidade, segundo o promotor Luis Ramos. 
9. Um professor é acusado com outros 16 suspeitos de acusações relativas à pornografia, também é acusado de filmar banheiros com um tabletDistrito de Hamilton, Nova Jersey - um professor, um motorista de ônibus escolar e um estudante fazem parte de um grupo de 16 pessoas acusadas de crimes de pornografia infantil e exploração sexual de menores, segundo anúncios das autoridades nessa quarta-feira. Thomas Guzzi Jr., de 36 anos, também é acusado de invasão de privacidade de terceiro grau por, alegadamente, ter utilizado um tablet escondido num banheiro de um teatro para gravar vídeos de pessoas que usavam o local. Um vídeo que foi encontrado em seu computador mostra o momento onde ele instala o equipamento no banheiro. O homem faz parte de uma rede de pedofilia e abuso infantil. 
10. Um homem de Colfax foi preso por acusações de filmar mulheres em banheirosColfax, Washington - um homem foi preso depois de delegados acreditarem que ele estava filmando várias mulheres secretamente, enquanto elas usavam o banheiro. Documentos da Corte indicam que as gravações foram feitas tanto em sua casa quanto na casa de uma das vítimas. As gravações são de vários anos atrás, de acordo com registros do tribunal. Michael A. Novak foi preso depois que uma procura foi feita em sua casa. As vítimas disseram que conheciam o suspeito e confiavam nele.  
11. Um homem é preso depois que uma câmera foi encontrada num banheiro em um restaurante Miami - para além dos muros externos de La Perla, dentro do banheiro feminino, uma cliente disse ter encontrado um dispositivo de gravação direcionado para o banheiro do restaurante. A mulher estava acompanhando a filha no banheiro da rua Southwest 152nd quando percebeu um aparelho estranho escondido debaixo da pia.  
12. Jovem é preso após investigação no Colégio Perrysburg Jr.Perrysburg, Ohio - A polícia prendeu um estudante de 14 anos em conexão com uma investigação envolvendo dois jovens do Colégio Perrysburg Jr. O incidente aconteceu em 18 de março, depois que um garoto de 14 anos gravou uma estudante de 13 anos num banheiro e distribuiu o vídeo para outros alunos. 
13. Professor em Maryland é acusado de filmar vídeos sexuais no banheiro da escolaUm professor voluntário e líder de coral foi acusado de abuso sexual e pornografia infantil ao fazer vídeos explícitos de crianças no banheiro da escola onde trabalhava, de acordo com documentos divulgados na terça-feira. 
14. Um segurança da guarda escolar de Nova Iorque foi preso com um vídeo de Snapchat de um garoto em um banheiroUm guarda de segurança de um colégio de Long Island foi preso acusado de gravar um vídeo de um estudante num banheiro e postá-lo no Snapchat, diz a polícia. A política também declarou, numa conferência de imprensa, que o guarda do Colégio Roosevelt seguiu um estudante de 16 anos até o banheiro, filmando-o. 
15. Um vítima foi filmada num banheiro 13 vezes, diz a políciaWilton Manors, Flórida - Um homem de Wilton Manors foi preso por acusações de abuso sexual e voyeurismo no ano passado, e também enfrenta acusações adicionais depois que outra vítima o denunciou, segundo declarações das autoridades anunciadas na sexta-feira.  
16. Ex-gerente da Chili de Martinsville é preso depois de gravar mulheres no banheiroMartinsville - um ex-gerente da filial da Chili em Martinsville foi acusado de gravar oito mulheres trocando de roupas ou usando o banheiro do restaurante. Sua noiva encontrou os vídeos num computador dele e chamou a polícia. Justin Carl Behnke, um homem de 40 anos de Indianapolis, foi acusado de 15 crimes relativos a voyeurismo e abuso sexual.  
17. Homem admite ter gravado usuários de um banheiro por 50 vezesCoralville, Iowa - um homem do condado de Johnson foi acusado de gravar secretamente dúzias de homens usando um banheiro num estabelecimento de Coralville. Uma vítima procurou a polícia numa manhã de domingo dizendo ter sido fotografado por um homem enquanto usava um banheiro da Scheels Sporting Goods no shopping Coral Ridge. 
18. Ex-bombeiro é acusado de gravar vídeos de garotas num banheiroLyndhurst - um ex capitão do corpo de combeiros e técnico de um time juvenil de futebol que foi acusado de gravar garotas jovens enquanto elas usavam seu banheiro assumiu a culpa das acusações de invasão de privacidade em quarto grau, nessa quinta-feira , de acordo com o site northjersey.com. 
19. Homem que utilizava banheiros femininos também é acusado de conexão com pornografia infantilUm homem da Pensilvânia, que havia sido preso por tirar fotos de uma garota de 10 anos num banheiro público, também foi acusado de ligações com pornografia infantil, diz a polícia. James Thomas Shoemaker, de 19 anos, foi preso na semana passada num banheiro feminino na loja Sheetz em Manheim Pike. A polícia disse que ele estava gravando imagens de garotas com seu celular. 
20. Homem é preso depois de filmar ao menos 7 pessoas num banheiro "de gênero neutro" de uma loja da StarbucksUm homem foi preso depois de colocar uma câmera escondida num banheiro "de gênero neutro" de uma loja da Starbucks em Brea, e também de gravar ao menos 7 pessoas, disse a polícia na terça-feira. A prisão de Melcher Carrilloalvarado, de 44 anos, residente de La Habra, foi anunciada um dia depois de a polícia confirmar que uma mulher encontrou uma câmera num banheiro unissex na loja da Starbucks localizada na 101 West Imperial Hwy.

Com todos esses casos, também é pertinente questionar quantos cidadãos essas políticas transgêneras irão afetar. Mesmo nas mais generosas estimativas, somente 0.3% da população dos EUA se declara como transgênera. Então, no fim das contas, essas políticas extremas voltadas para pessoas que se alegam transgêneras são designadas para menos da metade de 1% dos estadunidenses. 



Share:

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Jean Carvalho: A Direita brasileira é um grupo de símios

Por Jean Augusto G. S. Carvalho

Cena do clássico "Planeta dos Macacos": pedimos desculpas aos símios pela comparação


O direitista é o homem-massa, como seu equivalente de Esquerda. Aqui, uso os dois termos com a conotação mais genérica, as correntes políticas mais difundidas - desconsiderando suas ramificações e vertentes. 

Em essência, o direitista é movido pelos mesmos elementos e motivações presentes na Esquerda, e seus defeitos mais comuns são encontrados justamente em seus opositores. Por "homem-massa" designa-se o indivíduo que copia os movimentos, pensamentos e características de uma massa, um grupo específico de pessoas. O direitista, apesar de negar conceitos coletivistas, é essencialmente um "individualista com necessidade de sociabilização". Ele é um "lobo solitário" que precisa de uma alcateia. 

Há signos, gestos, comportamentos e vocabulários específicos da Direita e necessários para qualquer um que queira fazer parte desse espectro. Há coisas aceitáveis e inaceitáveis. E, como na Esquerda, há um forte senso de messianismo e culto à imagem (elementos que não são essencialmente negativos ou positivos) e um forte controle do grupo sobre o elemento. Você pode ser aceito ou expulso, e o grupo deve considerar sua participação ou negá-la. 

Os elementos são essencialmente livre mercado, anti-feminismo, anti-coletivismo, pró-capitalismo, pró-privatizações, entre outros pontos. Qualquer um que adote essa linguagem, mesmo que superficialmente, é aceito no grupo (no caso, no bando de símios). Não importa muito o histórico, a trajetória, as ações ou a personalidade de uma figura, o que importa é o quanto ela pode capitalizar para o movimento. É por isso que gente como Patrícia Lélis (famosa pelo escândalo com Feliciano), com comportamentos e sinais obviamente mentirosos é aceita nesse meio, pelo simples fato de adotar o linguajar aceito pelo grupo.

Por "comportamento simiesco" temos duas alusões: o ato várias espécies de macaco atirarem fezes em seus oponentes e a hiper-sexualização dos bonobos, dois fenômenos que servem de paralelo para o comportamento do direitista médio.

O "jogar fezes" se refere ao comportamento imaturo, inconsequente e aberrante diante de qualquer tentativa de diálogo ou contato com o contraditório. Direitistas apontam o comportamento irracional como característica da Esquerda, mas não é uma exclusividade do imbecil médio esquerdista. Quando se depara com o contraditório, o direitista (assim como seus equivalentes esquerdistas) é incapaz de qualquer reflexão séria, análise ou atividade produtiva. Há a simples demonização, negação e reforço das próprias opiniões.

O direitista é incapaz de avançar um milimetro além da própria ideologia e do próprio pensamento. Não falo, aqui, de aceitar os argumentos da oposição, nem de alterar os próprios valores. Falo da capacidade analítica profunda e panorâmica. Esse é um elemento ausente numa Direita que vive da "zoeira", de "oprimir" e de fazer memes, ou qualquer uma dessas coisas mais próprias de adolescentes masturbadores. As "fezes" são a incapacidade do direitista refletida no comportamento imaturo em qualquer diálogo.

A hiper-sexualização é outro elemento simiesco observável na Direita. Bonobos têm total dependência do sexo e, quando não o conseguem, se masturbam com frequência (e até mesmo após fazer sexo). Essencialmente masculina, a Direita gira em torno da eleição de figuras femininas que exalam erotismo e sensualidade (todo o discurso conservador da Direita não passa de falso moralismo, e mesmo esse falso moralismo tem sido substituído por um pensamento abertamente libertário e imoral). As mulheres na Direita são os elementos que mantém a tensão sexual dos bonobos (os militantes médios), as succubus  que vivem e dependem da atenção masculina.

Esses elementos femininos são marcadamente anti-feministas e obtêm alto grau de consideração, mesmo que seus comportamentos sejam mais baixos e vulgares do que o das próprias feministas. Isso acontece pois, como já citado, o que importa não são as ações, mas sim o vocabulário e os slogans. Seja uma péssima mulher ou um homem desonrado, mas fale em Cristianismo, "civilização ocidental", família tradicional, honra e moral e você será considerado pela Direita como o equivalente a uma madre Teresa de Calcutá ou um Carlos Magno.

Há um profundo niilismo na Direita. Isso se reflete numa leitura inteiramente materialista do homem e do mundo - e até mesmo de Deus. Embora a Direita faça mais considerações religiosas do que a Esquerda, essas considerações são secundárias em relação ao próprio capitalismo e o livre mercado. Ou seja, Cristianismo e Deus são "coisas" que podem esperar para depois, já que privatizações e livre concorrência são elementos "mais importantes". Os direitistas beberam da mesma fonte de seus opositores: o Iluminismo, a Revolução Francesa (quer queiram ou não).

Esse niilismo se define no sentimento de inferioridade e de derrota. O militante direitista médio acredita fazer parte de um grande grupo marginalizado, acredita lutar contra o Estado gigante e titânico, e se identifica com o personagem John Galt; apesar de considerar que faz parte de um grupo que ecoa as opiniões da maioria da população, tem o sentido de que luta contra um inimigo que jamais vencerá (o mesmo sentido do esquerdista que, no fundo, não acredita realmente no fim do capitalismo mesmo nas projeções mais otimistas).

Falso moralismo, materialismo, niilismo: esses são os componentes essenciais de uma Direita que nunca apresentou qualquer projeto consistente em oposição à Esquerda, que adota o superficialismo intelectual e que prefere a roupagem à essência. O mesmo espírito anti-abortista que condena jovens mães solteiras (que escolhem não abortar) como irresponsáveis.

A Direita é o agrupamento dos hipócritas, dos fracos de espírito, daqueles que, enxergando na Esquerda o maior inimigo, não observam as incríveis semelhanças e a mesmíssima moldura mental. É o conjunto de bonobos em torno da Sara Winter e de figuras como Patrícia Lélis, que elege mentecaptos como gurus intelectuais e que, em resposta à podridão que dizem combater, oferecem algo ainda mais fétido.

Não há vigor na Direita e é claramente injusto compará-los com macacos (injusto para os macacos, é claro). Superar a dicotomia é um passo essencial para superar a própria podridão representada por uma Esquerda que já perdeu o contato com a realidade e uma Direita que oferece, como alternativa, um devaneio tão ruim quanto.







Share:

sábado, 13 de agosto de 2016

Theodore Kaczynski: Psicologia do Esquerdismo Moderno

Theodore Kaczynski 





PSICOLOGIA DO ESQUERDISMO MODERNO

Quase todo mundo concorda que vivemos numa sociedade profundamente nociva. Uma das manifestações mais evidentes da loucura de nosso mundo é o esquerdismo, de forma que uma discussão sobre a psicologia do esquerdismo nos pode servir de introdução ao debate dos problemas da sociedade moderna em geral.

Mas, o que é esquerdismo? Durante a primeira metade do século XX pôde ser praticamente identificado com o socialismo. Hoje, o movimento está fragmentado e não está claro quem pode ser chamado propriamente de esquerdista. Quando neste artigo falamos de esquerdistas pensamos principalmente em socialistas, coletivistas, "politicamente corretos", feministas, ativistas pelos direitos dos homossexuais, dos deficientes, ativistas pelos direitos dos animais. Mas nem todos os que se associam a algum destes movimentos é um esquerdista. 

Não se trata de um movimento ou de uma ideologia, mas de um tipo psicológico, ou, melhor dito, uma coleção de tipos relacionados. Assim, o que queremos dizer com "esquerdista" aparecerá com mais clareza no curso da discussão da psicologia esquerdista. (Veja também parágrafos 227-230). Mesmo assim, nossa concepção ficará menos clara do que desejaríamos, mas parece não ter remédio para isto. Tudo o que tentamos fazer é indicar de uma maneira tosca e aproximada as duas tendências psicológicas que cremos serem as principais forças condutoras do esquerdismo moderno. 

Com isto, não pretendemos estar dizendo TODA a verdade. Além disso, nossa discussão abarca apenas o esquerdismo moderno. Deixamos aberta a questão sobre o esquerdismo do século XIX e princípios do XX. Às duas tendências psicológicas que servem de base ao esquerdismo moderno chamamos de "sentimentos de inferioridade" e "sobressocialização". Enquanto os sentimentos de inferioridade caracterizam todo o esquerdismo, a "sobressocialização" caracteriza apenas um determinado segmento do esquerdismo moderno, mas este segmento é altamente influente.


SENTIMENTOS DE INFERIORIDADE

Por "sentimentos de inferioridade" não nos referimos apenas aos sentimentos de inferioridade no sentido estrito, mas a todo espectro relacionado: baixa auto-estima, sentimentos de impotência, tendências depressivas, derrotismo, culpa, aborrecimento, etc. Argumentamos que alguns esquerdistas modernos tendem a tais sentimentos (mais ou menos reprimidos) e como eles são decisivos para determinar a direção do esquerdismo moderno.

Quando alguém interpreta como depreciativo quase tudo o que se diz dele (ou a respeito de grupos com os quais se identifica), concluímos que tem sentimentos de inferioridade ou baixa autoestima. Esta tendência é evidente entre os defensores dos direitos das minorias, independente de pertencerem ou não à minoria cujos direitos defendem. 

São hipersensíveis diante das palavras usadas para designá-los. Os termos "negro", "oriental", "deficiente", "índia" para um africano, um asiático, uma pessoa impossibilitada, uma mulher originária não tinham uma conotação depreciativa. "Rapariga" era simplesmente o equivalente feminino para "moça". 

As conotações negativas foram agregadas a estes termos pelos próprios ativistas. Alguns defensores dos direitos dos animais foram tão longe ao ponto de recusar a palavra "mascote" e fazer questão de sua substituição por "animal de companhia". Antropólogos esquerdistas exageram ao ponto de evitar falar qualquer coisa a respeito de pessoas primitivas que possa ser interpretado como negativo: querem substituir a palavra "primitivo" por "iletrado". Parecem quase paranoicos sobre qualquer coisa que lhes sugira que alguma cultura primitiva seja inferior à nossa. (Não queremos dizer que as culturas primitivas SÃO inferiores à nossa; somente apontamos a hipersensibilidade destes antropólogos).

Aqueles que são mais sensíveis à terminologia "politicamente correta" não são os negros médios habitantes do gueto, imigrantes asiáticos, mulheres maltratadas ou pessoas deficientes, mas uma minoria de ativistas, muitos dos quais não pertencem a nenhum grupo "oprimido", mas que provem de estratos sociais privilegiados. A correção política tem seus maiores entusiastas entre os professores universitários, os quais têm emprego seguro, salários confortáveis, e a maioria deles são homens brancos heterossexuais de famílias de classe média.

Muitos esquerdistas têm uma intensa identificação com os problemas de grupos que têm um esteriótipo de débeis (mulheres), derrotados (índios americanos), repelentes (homossexuais), ou aparentemente inferiores. Nunca admitirão em seu íntimo que têm tais sentimentos, mas é precisamente por sua visão destes grupos como inferiores que se identificam com seus problemas. (Não sugerimos que mulheres, índios, etc., SÃO inferiores; só estamos fazendo uma anotação sobre a psicologia esquerdista).

As feministas estão ansiosamente desesperadas em demonstrar que as mulheres são tão fortes e capazes quanto os homens. Elas estão claramente esmagadas pelo medo de que as mulheres possam NÃO ser tão fortes e capazes quanto os homens. Os esquerdistas odeiam todo esteriótipo do forte, bom e exitoso. Eles odeiam os Estados Unidos, odeiam a civilização ocidental, odeiam aos varões brancos, odeiam a racionalidade. 

As razões que dão para odiar o ocidente, etc. claramente não coincidem com seus motivos reais. DIZEM que odeiam o ocidente porque é guerreiro, imperialista, sexista, etnocêntrico, mas quando as mesmas faltas aparecem em países socialistas ou culturas primitivas, encontram desculpas para eles ou, quando muito, admitem-no RESMUNGANDO, enquanto destacam (muitas vezes exagerando muito) estas faltas quando aparecem em civilizações ocidentais. Assim, está claro que estas faltas não são os motivos reais para odiar os Estados Unidos e ocidente: odeiam os Estados Unidos e o ocidente porque são fortes e exitosos.

Palavras como "autoconfiança", "segurança", "iniciativa", "empreendimento", "otimismo", etc. desempenham um papel muito pequeno no vocabulário liberal e esquerdista. O esquerdismo é anti-individualista, é pró-coletivista. Querem a sociedade para que ela resolva as necessidades de todo mundo, por eles e para cuidar deles. Não é o tipo de gente que tem um sentido interior de confiança em suas próprias habilidades para resolver seus próprios problemas e satisfazer suas próprias necessidades. O esquerdista opõe-se ao conceito de competição porque, interiormente, sente-se perdedor.

As formas de arte que apelam aos intelectuais do esquerdismo moderno tendem a enfocar-se na sordidez, na derrota e no desespero ou, por outro lado,tomam um tom orgiástico, renunciando ao controle racional, como se não tivesse esperança de conseguir nada através do cálculo racional e tudo o que ficou de fora deve submergir na sensação do momento.

Os filósofos esquerdistas modernos tendem a recusar coisas como razão,ciência e realidade objetiva e fazem questão de que tudo é culturalmente relativo. É justo formular perguntas sérias sobre os fundamentos do saber científico, sobretudo quando o conceito de realidade objetiva pode ser definido. Mas é óbvio que estes filósofos não são simplesmente coerentes de cabeça fria que sistematicamente analisam os fundamentos do conhecimento.

Estão profundamente envolvidos emocionalmente em seu ataque à verdade e à realidade. Atacam estes conceitos por suas necessidades psicológicas. Seu ataque é uma saída para a hostilidade, e ao ser exitoso, satisfaz o impulso pelo poder. Mais importante, os esquerdistas odeiam a ciência e a racionalidade porque classificam certas crenças como verdadeiras (isto é, sucesso, superior)e outras crenças como falsas (isto é, fracasso, inferior). 

Os sentimentos esquerdistas de inferioridade estão tão profundamente arraigados que não podem tolerar nenhuma classificação de algo como exitoso ou superior e outra coisa como fracassada ou inferior. Isto também sublinha a rejeição de muitos com relação à doença mental e a utilidade das provas de inteligência. São antagonistas das explicações genéticas das habilidades ou condutas humanas porque estas explicações tendem a fazer aparecer algumas pessoas como superiores ou inferiores a outras. Preferem dar à sociedade o mérito ou a culpa para uma habilidade ou carência individual. Assim, se uma pessoa é "inferior" não é sua culpa, mas da sociedade, porque não foi educada corretamente.

O esquerdista não é a classe de pessoa cujos sentimentos de inferioridade fazem dela um bravo, um egoísta, um valentão, um promotor de si mesmo,um competidor cruel. Esta classe de pessoa não perdeu totalmente sua confiança. Tem um déficit em seu sentido de poder e em seu valor, mas ainda se pode conceber tendo a capacidade para ser forte, e seus esforços por fortalecer-se produzem seu comportamento desagradável. Alegamos que TODOS, ou quase todos os fanfarrões e os competidores cruéis sofrem com sentimentos de inferioridade. Mas o esquerdista vai bem além disso. Seus sentimentos de inferioridade estão tão arraigados que não pode conceber-se como um indivíduo forte e valioso. Daí o coletivismo do esquerdista: só pode sentir-se forte como membro de uma organização grande ou de um movimento de massas com o qual possa identificar-se.

Atendimento à tendência masoquista das táticas esquerdistas: protestam deitando na frente dos veículos, provocam intencionadamente à polícia ou aos racistas para que os maltratem, etc. Estas táticas com freqüência podem ser efetivas, mas muitos as usam não como meios para um fim, mas porque PREFEREM táticas masoquistas. O ódio pelo ódio é característica esquerdista.

Podem reivindicar que seu ativismo é motivado pela compaixão ou por  princípios morais, e os princípios morais exercem um papel nos esquerdistas do tipo "sobressocializado", mas a compaixão e os princípios morais não podem ser os principais motivos para seu ativismo. A hostilidade é um componente que salta aos olhos no comportamento esquerdista, do mesmo modo que o impulso pelo poder. 

Além disso, muitos dos comportamentos esquerdistas não são racionalmente calculados para servir de benefício àqueles a quem clamam estar tentando ajudar. Por exemplo, se alguém crê que ações afirmativas são boas para o povo negro, faz sentido demandar ações afirmativas em termos hostis ou dogmáticos? Obviamente, programar uma aproximação diplomática e conciliadora é mais produtivo do que fazer concessões verbais e simbólicas e implementar ações afirmativas que os discriminem. 

Mas os ativistas esquerdistas não tomarão tais atitudes porque não satisfarão suas necessidades emocionais. Ajudar negros não é sua verdadeira finalidade. Em vez disso, os problemas raciais servem a eles como desculpa para expressar sua própria hostilidade e frustração diante de sua necessidade de afirmação. Fazendo isto eles realmente provocam dano ao povo negro, porque a atitude hostil dos ativistas para com a maioria branca tende a intensificar o ódio racial.

Se nossa sociedade não tivesse nenhum problema social, teriam que INVENTAR problemas com objetivo de mostrar uma desculpa para organizar um alvoroço. Enfatizamos que o precedente não pretende ser uma descrição exata de todo mundo que possa considerar-se um esquerdista. É só uma indicação tosca de uma tendência geral.


O PERIGO DO ESQUERDISMO

Devido a sua necessidade pela rebelião e por serem membros de um movimento, os esquerdistas ou as pessoas de tipo psicológico similar são com freqüência atraídos por movimentos de rebeldia ou ativismos cujos objetivos e membros não são inicialmente esquerdistas. O resultado da entrada de esquerdistas pode, facilmente, transformar um movimento não esquerdista num esquerdista, de maneira que as finalidades esquerdistas substituem ou mudam os objetivos iniciais do movimento.

Para evitar isto, um movimento que exalta a natureza e que se opõe à tecnologia, deve fazer um acordo contra os esquerdistas e deve evitar a colaboração com estes. O esquerdismo está em larga escala em contradição com a natureza selvagem, com a liberdade humana e com a eliminação da tecnologia moderna. O esquerdismo é coletivista; está procurando vincular o mundo inteiro (ambos, a natureza e a raça humana) num todo unificado. 

Mas isto implica o manejo da natureza e da vida humana por uma sociedade organizada, e requer tecnologia avançada. Não dá para ter o mundo unido sem meios de transporte rápidos e sem comunicações, não dá para fazer com que todo mundo se submeta sem técnicas psicológicas sofisticadas, não dá para construir uma "sociedade planejada" sem uma base tecnológica necessária. 

Além de tudo, o esquerdismo é conduzido pela necessidade de poder, e o esquerdista requer tal poder em bases coletivas, através da identificação com um movimento de massas ou uma organização. O esquerdismo provavelmente nunca renunciará à tecnologia, porque a tecnologia é uma fonte demasiado valiosa de poder coletivo.

O anarquista também procura o poder, mas o procura em bases individuais ou de pequenos grupos; quer que estes sejam capazes de controlar as circunstâncias de suas próprias vidas. Opõe-se à tecnologia porque ela faz que pequenos grupos dependam de grandes organizações. Esta declaração se refere a um determinado tipo de anarquismo. Uma ampla variedade de atitudes sociais foram respostas "anarquistas", talvez muitos que se consideram anarquistas não aceitem esta declaração. Convém ressaltar, por outra parte, que há um movimento anarquista não-violento cujos membros provavelmente não aceitam a FC como anarquista e seguramente não aprovarão nossos métodos violentos.

Alguns esquerdistas se opõem à tecnologia apenas aparentemente, eles se opõem quando não tem acesso nem controlam a tecnologia do sistema. Na medida em que o esquerdismo domina a sociedade, o sistema tecnológico torna-se um instrumento nas mãos dos esquerdistas, eles não apenas o utilizam com entusiasmo como também promovem seu crescimento. 

Ao fazê-lo eles repetem um padrão visto no passado. Quando os bolcheviques na Rússia ainda estavam sem o poder nas mãos, eles se opunham energicamente à censura e à polícia secreta, eles defendiam a autodeterminação para as minorias étnicas, e assim por diante; mas logo que tomaram o poder, elas impuseram uma censura ainda mais rigorosa e criaram uma polícia secreta ainda mais cruel que a dos tsares, e passaram a oprimir as minorias étnicas da mesma forma que os tsares faziam. 

Nos Estados Unidos, décadas atrás,quando os esquerdistas eram minoria nas universidades, os professores esquerdistas eram vigorosos defensores da liberdade acadêmica. Hoje, nas universidades onde os esquerdistas são maioria, já demonstram disposição de tolher a liberdade acadêmica de vertentes que em sua visão se afasta daquilo que julgam ser o “politicamente correto”. O mesmo vai acontecer com os esquerdistas com relação à tecnologia: no momento em que esta cair sob seu controle ela será utilizada para oprimir outras pessoas. 

Por repetidas vezes nas revoluções recentes, os esquerdistas sequiosos por poder são os primeiros a colaborar tanto com não-esquerdistas revolucionários como com esquerdistas de inclinação mais libertária, para depois traí-los e tomar o poder para si próprios. Robespierre fez isso na Revolução Francesa, os bolcheviques na Revolução Russa, os comunistas na Espanha em 1938, e Castro e seus seguidores em Cuba. Diante desse passado histórico do esquerdismo, seria absolutamente insensato aos não-esquerdistas revolucionários colaborar com esquerdistas hoje.

Diversos pensadores salientaram que esquerdismo é uma espécie de religião. Esquerdismo não é uma religião no sentido estrito, porque a doutrina esquerdista não postula a existência de qualquer ser sobrenatural. Mas para a esquerda, o esquerdismo psicológico desempenha um papel muito similar àquele que a religião desempenha para algumas pessoas. O esquerdista tem de acreditar em esquerdismo, fato que exerce um papel essencial em sua psique.Suas crenças não são facilmente modificadas pela lógica ou pelos fatos. 

Ele tem uma profunda convicção de que é o esquerdismo é moralmente Correto,com um capital histórico Correto, e que ele tem não apenas o direito, mas o dever moral de impor o esquerdismo em todas as pessoas. (No entanto, muitas das pessoas às quais estamos nos referindo como “esquerdistas” não se julgam esquerdistas e não descrevem seu sistema de crenças como esquerdismo. Usamos o termo “esquerdismo” porque desconhecemos outra palavra que melhor designe o espectro de crenças relacionadas a feminismo,direitos gay, politicamente correcto, etc, e pelo fato destes movimentos terem uma forte afinidade com a antiga esquerda). (Ver parágrafos 227-230).

O esquerdismo é uma força totalitária. Sempre que o esquerdismo alcança o poder tende a invadir cada canto privado e a moldar cada um na forma esquerdista. Em parte, isso é devido ao caráter quase religioso do esquerdismo; tudo que se contrapõe à crença esquerdista representa o Pecado.Mais importante, o esquerdismo é uma força totalitária porque o esquerdista se move pelo poder. 

O esquerdista procura satisfazer sua necessidade de poder através da identificação com um movimento social e tenta assumir o controle de todo o processo no intuito de atingir os objetivos do movimento.(Veja parágrafo 83). Não importa o quanto o movimento avançou na realização dos seus objetivos, o esquerdista nunca está satisfeito, porque o seu ativismo é um substituto da atividade (veja parágrafo 41). Ou seja, o que move o esquerdismo não se ater às ostensivas metas do movimento; na realidade ele é motivado pela sensação de poder que ele adquire na luta e por alcançar uma meta social.

Por conseguinte, o esquerdista nunca está satisfeito com as metas que ele já alcançou; sua necessidade de se alçar ao poder leva-o sempre a ostentar alguma nova meta. O esquerdista prega a igualdade de oportunidades para as minorias, mas ele tem critérios estatísticos próprios sobre isso. 

Quando chegam ao poder e a realidade mostra minorias ainda sem oportunidades, e se em algum canto da sua mente surge uma atitude negativa com relação a essas minorias, e isso não se refere apenas às minorias étnicas;ninguém pode ser autorizado a ter uma atitude negativa para com homossexuais, deficientes, obesos, idosos, feios, e assim por diante. Quer dizer, não é suficiente que os cidadãos sejam informados sobre os perigos do tabagismo; uma advertência tem que ser carimbada em cada pacote de cigarros. Depois, a publicidade do cigarro tem de ser limitada, se não for  proibida. 

Os esquerdistas nunca estarão satisfeitos até que o uso de tabaco seja proibido, depois será a vez do álcool e, em seguida da maconha, de certos tipos de alimento, etc. Os ativistas têm lutado contra o abuso infantil, o que é razoável. Mas agora eles querem pôr termo a toda palmadinha. Quando alcançarem isso eles vão querer proibir algo mais que consideram nocivo e,em seguida, outra coisa e depois outra. Eles nunca estarão satisfeitos até quena prática tenham controle total sobre todas as crianças. Então passarão para outra causa.

Suponha que você peça para os esquerdistas fazerem uma lista de todas as coisas erradas na sociedade e, em seguida, suponha que você institua CADA mudança social que eles pediram. Seguramente dentro de alguns anosa maioria dos esquerdistas encontrará algo de novo para queixar-se, alguns novos “males” sociais para corrigir, porque mais uma vez o esquerdista é motivado menos pela angústia dos males sociais do que pela necessidade de afirmar-se pessoalmente pela imposição de supostas soluções.

Devido às restrições arraigadas em seus pensamentos e comportamento pelo seu elevado nível de socialização, muitos esquerdistas do tipo "sobressocializado" não podem afirmar-se da forma como outras pessoas fazem.Para eles afirmação pessoal tem apenas uma saída moral aceitável, lutar para impor sua moral a todo mundo. Talvez isso seja uma condição necessária, um ingrediente de qualquer movimento revolucionário. Isto representa um problema com o qual temos de admitir que não sabemos como lidar. Não sabemos como aproveitar as energias do Verdadeiro Fiel para uma revolução contra a tecnologia. Atualmente, todos nós podemos dizer é que não serão os Verdadeiros Fiéis que garantirão o sucesso da revolução a menos que seu compromisso seja exclusivamente com a destruição de tecnologia. Eles podem querer usar a tecnologia como ferramenta ideal para a prossecução alheia.

Esquerdistas, especialmente os do tipo "sobressocializado", são fiéis, no sentido de Eric Hoffer do livro “O Verdadeiro Fiel”. Mas nem todos os fiéis são do mesmo tipo psicológico enquanto esquerdistas. Presumivelmente um Verdadeiro Fiel nazi, por exemplo, é psicologicamente muito diferente de um Verdadeiro Fiel esquerdista. 

Devido a sua capacidade de devoção a uma só causa, os Verdadeiros Fiéis são úteis. Podem ser um ingrediente necessário a todo movimento revolucionário. Mas isto apresenta um problema que devemos reconhecer não saber como tratar. Não estamos seguros sobre como aproveitar as energias do Verdadeiro Fiel para uma revolução contra a tecnologia. No presente, tudo o que podemos dizer é que nenhum Verdadeiro Fiel será útil à revolução, a menos que seu comprometimento único seja destruir a tecnologia. Se estiver comprometido também com outra ideia, pode querer usar a tecnologia como ferramenta para perseguir outro ideal (ver  parágrafos 220, 221).

Alguns leitores podem dizer: “Essas coisas sobre esquerdismo são um monte de asneiras. Sei que João e Joana são típicos esquerdistas e eles não têm todas estas tendências totalitárias”. É bem verdade que muitos esquerdistas, talvez a maioria, são pessoas decentes que acreditam sinceramente na tolerância a outros valores (até certo ponto) e não aprovam a utilização de métodos e instrumentos inadequados para atingir os seus objetivos sociais. 

Nossas observações sobre esquerdismo não são destinadas a serem aplicadas a cada indivíduo esquerdista, mas para descrever o caráter geral do esquerdismo enquanto movimento. E o caráter de um movimento em geral não é necessariamente determinado pela proporção numérica dos diversos tipos de pessoas envolvidas no movimento. As pessoas que galgam a posições de poder no movimento esquerdista tendem a ser esquerdistas cada vez mais sequiosos por poder, porque as pessoas mais sequiosas por poder são aquelas que lutam duramente para chegar a posições de poder. 

Depois que os sedentos por poder conquistam o controle do movimento, muitos esquerdistas independentes sentem-se angustiados e traídos e passam a desaprovar muitas das ações de seus líderes,mas não chegam ao ponto de opor-se a eles. A fé no movimento é mantida e por não poderem renunciar a esta fé seguem junto com os líderes.

Verdadeiramente, alguns raros esquerdistas corajosamente se opõem à uma eventual tendência totalitária, mas geralmente caem no vazio, porque os sedentos por poder estão melhor organizados, são mais cruéis, maquiavélicos e cuidam de escorar-se em uma forte base. Este fenômeno apareceu claramente na Rússia e em outros países onde os esquerdistas tomaram o poder. Antes do fracasso do comunismo na URSS,os esquerdistas de ocidente raramente criticaram esse país. No máximo admitirão que a URSS fez muitas coisas ruins, mas depois tentarão encontrar desculpas para os comunistas e começarão a falar sobre os erros do ocidente.

Sempre se opuseram à resistência militar de ocidente à agressão comunista.Esquerdistas de todo mundo protestaram vigorosamente contra a ação militar dos EUA no Vietnã, mas quando a U.R.S.S. invadiu o Afeganistão não fizeram nada. Não porque aprovassem a ação soviética, mas por sua fé esquerdista, simplesmente não puderam opor-se ao comunismo. Hoje, nas universidades onde a «correção política» se tornou dominante, provavelmente há esquerdistas que particularmente desaprovam a supressão da liberdade acadêmica, mas a adotam assim mesmo. 

Assim o fato de que muitos esquerdistas serem pessoalmente moderados e bastante tolerantes não significa que o esquerdismo como e de ser uma tendência totalitária. Nossa discussão do esquerdismo tem uma debilidade séria. Estamos ainda longe de aclarar o que queremos dizer com a palavra «esquerdista». 

Não parece que possamos avançar muito sobre isto. Hoje o esquerdismo está fragmentado em todo um espectro de ativismo. No entanto, nem todos têm esta tendência e alguns movimentos (por exemplo, os ambientalistas radicais) parecem incluir ambas as personalidades, do tipo esquerdista e inteiramente não esquerdistas, os quais devem discernir melhor antes de colaborar com os primeiros. Variedades de esquerdistas se convertem gradualmente em variedades de não esquerdistas e nós mesmos estaríamos com freqüência em dificuldades para decidir se uma determinada pessoa é ou não um esquerdista.

Enquanto não for precisamente definida, nossa concepção é explicada pela discussão que apresentamos neste artigo, e só podemos aconselhar ao leitor  para que use seu próprio juízo para decidir quem é um esquerdista. Mas será útil catalogar alguns critérios para o diagnóstico. Estes critérios não podem ser aplicados de uma maneira seca. Algumas pessoas podem reunir alguns dos critérios sem ser esquerdistas, alguns esquerdistas podem não reunir nenhum dos critérios. Novamente convém usar o bom senso

O esquerdista está orientado para um colectivismo em grande escala.Enfatizamos a obrigação do indivíduo de servir à sociedade e a obrigação da sociedade de cuidar do indivíduo. O esquerdista tem uma atitude negativa para o individualismo. Com freqüência usa um tom moralista. Tende a defender o controle de armas, educação sexual e outros métodos psicológicos de educação iluminados”.

Defende o planejamento, a ação afirmativa, o multiculturalismo. Tende a identificar-se com vítimas. Tende a ser contra a competição e a violência, mas encontra desculpas para aqueles esquerdistas que usam a violência. Agrada-lhe muito usar chavões da esquerda como «racismo», «sexismo», «homofobia»,«capitalismo»,«imperialismo»,«neocolonialismo», «genocídio», «mudança social», «responsabilidade social». Talvez o melhor diagnóstico seja a característica de tender a simpatizar com os seguintes movimentos: feminismo, direitos dos homossexuais, minorias étnicas, incapacitados, direitos dos animais, correção política. Qualquer um que simpatize com força com TODOS estes movimentos é quase com certeza um esquerdista. Os esquerdistas mais perigosos são aqueles que estão mais famintos de poder, são freqüentemente caracterizados pela arrogância ou por um enfoque dogmático da ideologia. 

Não obstante, os mais perigosos de todos podem ser certos tipos "sobressocializados" quem evitam explosões irritantes de agressividade e se refreiam de fazer publicidade de seu esquerdismo, mas trabalham rápida e discretamente promovendo valores coletivistas, técnicas psicológicas «iluminadas» para socializar crianças, para incrementar a dependência do indivíduo ao sistema, e coisas assim. 

Estes cripto-esquerdistas(como os podemos chamar) estão próximos de certos tipos burgueses no quetange a ações práticas, mas diferem deles em psicologia, ideologia emotivação. O burguês corrente tenta manter as pessoas sob o controle dosistema para proteger seu modo de vida, ou o faz simplesmente porque suasatitudes são convencionais. 

O cripto-esquerdista tenta manter as pessoas sob o controle do sistema porque é um Verdadeiro Fiel a uma ideologia coletivista.Diferencia-se do esquerdista comum do tipo "sobressocializado" pelo fato de que seu impulso de rebeldia é mais débil e está mais firmemente socializado.Diferencia-se do burguês corrente seu impulso (bem sublimado) pelo poder seja mais forte do que aquele do burguês comum bem socializado pelo fato de que há uma profunda carência em seu interior que lhe força a consagrar-se a uma causa e submergir-se numa coletividade.


(Fonte: trechos retirados da obra "A Sociedade Industrial e seu Futuro")

Share:

Visitas

Participe do nosso Fórum Online

Siga-nos no Facebook